quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

O que ver em Paris

Ir a Paris significa visitar a incontornável Torre Eiffel e a famosíssima Mona Lisa patente no Museu do Louvre. Mas Paris não é só estes dois marcos.
Paris é uma cidade carregada de cultura e de locais que pode visitar, independentemente do tipo de pessoa que é.
Dê corda aos seus sapatos e venha connosco conhecer os locais mais importantes e mais belos da Cidade das Luzes.

Monumentos


Uma vez em Paris, tente que a sua primeira paragem seja na Torre Eiffel.
Mandada construir para a exposição mundial de 1889, com planos para posteriormente ser demolida, tornou-se no cartão de visita de Paris, volvidos mais de cem anos desde a sua construção.

Apanhe o metro e saia na estação Bir-Hakeim (desça as escadas e à saída da estação verá de imediato a torre). Se por acaso optar pelo trajecto a pé, siga a margem do Rio Sena e facilmente a encontrará.


Quando optar pela subida à torre prefira um dia solarengo, (se possível) já que caso as condições atmosféricas não sejam as melhores, o terceiro andar da torre pode ser fechado ao público.
Vá cedo, se possível 1 hora antes da abertura da torre de modo a evitar as terríveis filas de espera para comprar o bilhete. Veja aqui o horário.
As bilheteiras são três, situadas por baixo de cada pilar. Apesar da existência de 4 pilares um deles é exclusivo a clientes do chiquíssimo restaurante Julio Verne situado no 2º andar da Torre.
Há relatos de pessoas que fazem uma reserva para o restaurante, entram por esse elevador com uma prova dessa reserva e uma vez no segundo piso nem entram no restaurante, só para evitar as filas!
Se for um desportista com bastante energia suba as escadas até ao segundo piso. Apenas pagará 4€.
Se no entanto preferir existe sempre a opção elevador. É uma opção mais cara mas mais convencional.
Não se confunda quando chegar à bilheteira e vir vários preços expostos. Fique a saber que o bilhete para o terceiro piso apenas é vendido no 2º andar, ou seja cá em baixo apenas comprará entrada para o 1º ou 2º piso (ambos com tarifas diferentes).
Só e apenas lá em cima é que é possível adquirir o bilhete para o último andar. Consulte aqui os preços e tarifas especiais para jovens e grupos.

Outro marco conhecido de Paris é o Arco do Triunfo. Saia na estação de metro Charles de Gaulle - Étoile.


Foi inaugurado em 1836 e foi mandado construir de forma a enaltecer as vitórias de Napoleão. Tem gravados os nomes de 128 batalhas e 558 generais.


Na sua base situa-se o Túmulo do Soldado Desconhecido, construído em 1920.

Não tente atravessar a rotunda dos Champs-Elisées que para além de ser proibido é muito perigoso. Devido aos inúmeros acidentes que aqui aconteceram foi mandado construir um túnel próprio para a passagem dos turistas para visitarem o Arco do Triunfo.
Encontra-lo-a à saída do metro.


Pode também subir ao topo do Arco do Triunfo para apreciar as vistas e visitar o Museu inserido dentro do Monumento.
Custa 8€ a subida até ao topo mas para quem já subiu ou pretende subir a Torre Eiffel guarde esse dinheiro e gaste em souvenirs.
Desça o Arco do Triunfo e encontra-se na avenida mais conhecida de Paris e das mais caras do mundo.
Estamos a falar das Champs-Elysées.


Delicie-se com as montras e no caso de possuir uma carteira recheada de notas faça umas compras, quiçá comprar um modelo exclusivo da Peugeot, uma mala espampanante da Louis Vuitton, jantar numa das várias esplanadas e terminar a noite num show no Lido de Paris.
Se este não é o seu perfil então disfrute apenas das montras, coma na luxosa Mcdonalds e faça a digestão caminhando até ao fundo dos Campos Elíseos. Chegara assim facilmente à Place de La Concorde.
Antigamente era possível encontrar aqui uma guilhotina onde foram cortadas as cabeças a mais de mil pessoas entre elas Luis XVI e Maria Antonieta.
Tire uma foto, atravesse a rua e vá alimentar os patos e pombos no Jardim das Tulharias.
Esqueça uma sombra ou sentar-se na relva. Não existem sombras e é proibido calcar a relva. Se tiver sorte encontrara umas cadeiras livres em frente ao lago.

Museus

Já mais descansado e com energias recuperadas encontra-se a 5 minutos a pé do Museu do Louvre. Ir a Paris e não ir ao Louvre é a mesma coisa que ir a Roma e não ver o Papa. Seja bem vindo ao maior museu do Mundo.



Originalmente construído como um castelo no século XIII, no século XVI tornou-se na residência oficial dos monarcas franceses. Napoleão também residiu aqui e claro está no pátio do museu encontra mais um arco, du Carousel, que também serviu para enaltecer as suas vitórias.
Para além de ser conhecido como a casa da Mona Lisa também ficou conhecido após a controversa decisão do ex-Presidente da Republica François Miterrand de mandar construir as famosas pirâmides que permitiram uma maior entrada de modo a que as intensas filas de espera se tornassem mais diminutas.

Existem várias tarifas de entrada no Louvre sendo que as entradas são mais baratas a partir das 18h. Mas se gosta mesmo de arte e de contemplar com calma as peças artísticas reserve um dia inteiro para visitar o museu. Fique a saber que jovens com menos de 25 anos todas as 6ª não pagam entrada no Louvre a partir das 18horas. Dirija-se à famosíssima pirâmide e siga a fila de entrada.
Após a entrada e o controle intensivo de segurança irá chegar a uma espécie de centro comercial subterrâneo. Estude bem os mapas oferecidos nas inúmeras línguas disponíveis e decida qual a Ala por onde vai começar a sua visita.
Só nesse momento é que pagará a entrada no Museu.
Se viu ou leu o Codigo Da Vinci reconhecera de imediato a Pirâmide Invertida.

Se continua com vontade de ver museus entao sugerimos o Museu d'Orsay.
Saia na estação de RER com o mesmo nome ou saia na estação de metro Solférino e entra numa verdadeira estação artística. Após ter servido vários propósitos e em 1978 ter sido declarado um monumento histórico, em 1986 foi finalmente declarado como um Museu que abriu as portas ao público a 8 de Dezembro desse mesmo ano.
Nele podemos ver várias obras de arte provenientes de diversos museus e que datam entre os anos 1848 e 1914. Os preços variam entre os 7 e os 10€, consulte aqui os horários, tarifas e formas de chegar.

Outro museu que não pode perder é o Pompidou. Considerado por muitos parisienses como uma vergonha, a arquitectura do Museu Pompidou nunca agradou aos habitantes locais já que é caratcterizado por uma arquitectura pós-moderna onde as tubagens que supostamente deveriam estar tapadas do público encontram-se todas à mostra. Têm várias várias cores e cada um representa tubos ar condicionado, água, etc.
É um edifício que é facilmente visto no topo da Torre Eiffel já que se destaca no meio da cidade.
O centro alberga o museu, teatro e cinema. Veja aqui os horários e preços de entrada. A saída de metro é a de Chatellet Les Halles.
À saída do metro basta seguir as placas indicativas e facilmente o encontra. Pelo caminho, se sentir necessidade, aproveite para matar saudades de um latte do Starbucks que também aqui se encontram sucursais.

Foi em Paris, a cidade do amor, que a Princesa Diana perdeu a vida. Se quer seguir os últimos passos da princesa entao dirija-se até à Place Vendome. Nesta praça encontramos o Ritz onde Diana e seu namorado estiveram hospedados.
No centro desta praça existe um outro obelisco, uma vez mais, mandado erigir por Napoleão para celebrar as suas vitórias.
Esta é a praça mais chique de Paris onde pode encontrar lojas da Chanel, Cartier e outras lojas de estilistas.
Fica a norte do Jardim das Tulharias e é um pouco complicada de encontrar. Saia na estação de metro das Tulleries ou de Madeleine. Terá de ter paciência e perguntar aos locais as direcções. Não se esqueça de treinar o francês.

O famoso túnel onde a princesa perdeu a vida não fica muito longe.
Mesmo à saída da estação de metro Pont de L'Alma, verá um pequeno monumento em forma de chama onde vários turistas deixam as suas dedicatórias à Princesa do Povo. Engane-se se pensa que este é um monumento em honra da princesa. Este já existia anteriormente ao factidico acidente mas que agora foi transformado como uma comemoração à vida de Diana.



Já que está por estes lados atravesse a Pont de L'Alma, a mais antiga de Paris, e passeie pelas margens do Sena até chegar a Torre Eiffel.
Aproveite para tirar magnificas fotos.

Nas escadararias em frente à torre pode encontrar várias companhias que oferecem um passeio de cerca de 1 hora pelo Rio Sena. Opte pelas companhias que se encontram do lado direito (se estiver voltado de costas para a torre) já que praticam preços mais apelativos e de igual qualidade às que se encontram do seu lado esquerdo, que chegam a ser bastante mais caras.
A nossa sugestão recai sobre a companhia Bateaux Parisiens. Bons preços e óptimos guias. Faça um belo sorriso antes de entrar para o barco porque depois pode adquirir a foto que lhe vão tirar.


Prefira a hora do crepúsculo já que não há nada de mais romântico do que acompanhar o pôr-do-sol parisiense a bordo de um barco no Rio Sena e com uma banda sonora fantástica de fundo.

Igrejas


Quem já viu um mapa da cidade de Paris já deve ter reparado que existem duas ilhas no meio do Rio Sena, a Ile de la Cité e a Ile de St Louis. A mais importante, na nossa opinião, é a Ile de la cité onde se encontra a catedral de Notre Dame.


Construída no século XII em honra de Maria. Com estilo gótico ao longo dos tempos foi sofrendo várias alterações conforme os estilos predominantes na altura. Daí que ao olhar para a catedral veja vários géneros arquitectónicos misturados. No seu interior encontra um dos maiores orgãos musicais do mundo, dos quais 32 tubos ainda são os originais do século XIV. No exterior da catedral, na praça Parvis encontra uma placa de bronze que é o Ponto Zero a partir do qual todas as distâncias das estradas francesas são calculadas.
Foi esta catedral que inspirou Vitor Hugo a escrever o seu clássico Corcunda de Notre Dame.
A entrada na catedral é gratuita mas se quiser ter uma visita audio guiada basta adquirir um aparelho electrónico na entrada por 5€. Existem várias idiomas disponíveis.
Se quiser pode também subir as torres da catedral. Basta seguir a fila de pessoas à espera. Os preços variam. Consulte aqui os horários e as várias opções de visita disponíveis e tarifários.

Quem viu o filme ou leu Código daVinci de Dan Brown deve recordar-se da Igreja de Saint Sulpice e da famosa linha da Rosa que cruza a igreja. De facto existe uma linha que a atravessa e que termina numa placa no chão (que Silas quebra e encontra uma transcrição da Bíblia).





Segundo o guia da Igreja tudo que está escrito no livro em relação à linha e ao seu sentido é mentira. Nem sequer nunca foi o primeiro meridiano mundial.


Veja aqui a nota de imprensa que a Igreja escreveu em relação às alegações do livro.




Este guia, já com alguma idade, é bastante simpático e está sempre disponível para responder a dúvidas e questões dos turistas.
Tal como na Catedral de Notre Dame também aqui se encontra um dos maiores orgãos musicais do mundo.
A Igreja de Saint Sulpice fica situada a Sul (se vem dos Jardim de Luxemburgo), de lá vire à direita e logo no cruzamento vai encontrar uma placa indicativa da Igreja. Fica a 3minutos a pé.

Outra das igrejas que não pode perder é a Sacré Coeur.

Sacré Coeur ou a Igreja do Sagrado Coração fica no monte de Montmartre daí que mesmo do centro da cidade consiga avistar a cúpula da igreja no cimo.
Para chegar a Sacré Coeur apanhe o metro e saia na estação de Abesses ou de Anvers
Em frente a esta é possivel apreciar uma vista sobre a cidade de Paris de cortar a respiração. Simplesmente fantástica e se tiver sorte ainda apanha um músico que toca harpa na escadaria da Igreja. A banda sonora perfeita para aquele momento. Fenomenal!!

Aproveite e veja as lojas de souvenirs que aqui conseguem ter preços um pouco mais baixos dos que no centro de Paris, mas diferenças mínimas. Para subir ao cimo da colina onde está a Sacré Coeur tem duas opções: subir uma longa escadaria onde é constantemente abordado por vendedores ambulantes onde tentam vender pulseiras caríssimas e que sinceramente mais vale gastar numa baguette, ou o funicular. Esta opção é gratuita para os portadores do cartão de metro Paris Visite, senão tem de pagar cerca de 1,40€ (por trajecto).
Depois de visitar, na nossa opinião, a mais bela igreja de Paris, caminhe até Montmartre e se tiver dinheiro para isso faça o seu retrato num dos vários artistas espalhados à porta de uma esplanada. Pode tentar negociar mas eles não baixam dos 20€.

Jardins


Como qualquer cidade europeia desenvolvida também Paris tem vários espaços verdes onde pode descansar depois de uma caminhada e quiçá fazer um piquenique.
Destacamos dois jardins: Luxembourg e Trocadero.

O Jardin de Luxembourg é considerado o Hyde Park francês. Fica situado no 6º arrondissement e para chegar lá saia na estação de metro do Odéon ou use o RER e saia na estação Luxembourg.


Caracterizado por uma vasta gama de flores é a casa do Palácio de Luxembourg. Este foi mandado construir por Maria de Medicis que após o assassinato do seu marido Henri IV decidiu abandonar o Louvre e mandou construir o palácio como uma réplica do Palácio onde cresceu em Florença. O Jardim de Luxemburgo foi terminado em 1625.
É o local perfeito para relaxar, observar as pessoas que por lá passam e se tiver crianças aproveitar o parque infantil e os ponéis que se encontram no topo da escadaria do jardim.


O Jardim do Trocadero fica em frente à Torre Eiffel. Basta atravessar a ponte Champ de Mars. Neste jardim costumam acontecer várias feiras onde são dadas ofertas aos visitantes. Normalmente a entrada é gratuita por isso aproveite.

Diversão


Dos vários tipos de diversão que existem em Paris damos 3 exemplos diferentes do que pode fazer.

Se quer algo mais calmo e com glamour sugerimos a Opera de Paris.
O nome pode sugerir uma opção cara, mas desengane-se. Todos os dias de espectáculo uma hora antes são vendidos os bilhetes entre 5 e 10€. Leve é na mala uma roupa menos turística já que pode ter problemas com o "Dress Code".
A Opera de Paris ou Opera de Garnier fica situada à saída de metro Opera. Não confundir com a Opera de Bastille.


Se quer algo mais jocoso e diferente sugerimos o famoso cabaret Moulin Rouge.
Fica situado à saída de Blanche.
É uma opção bastante cara, ronda os 100€ e não é nada do que aparece no famoso filme da Nicole Kidman. As bailarinas são decadentes, o serviço deixa a desejar e a comida é péssima. Se mesmo assim não se importa de gastar essa quantia de dinheiro e depois ao chegar a casa poder dizer que viu um espectáculo no Moulin Rouge, então divirta-se.

Se no entanto prefere algo mais jovial então o seu destino é o Quartier Latin. Aqui existem várias esplanadas com menus, onde para além de saborear o fantástico queijo francês pode assistir a espectáculos musicais de rua ou até mesmo ir até um bar frequentado por estudantes da Sorbonne.

Compras


Fazer compras baratas em Paris é uma ilusão!
Mas se mesmo assim quer tentar experimente a feira de Clignancourt. Fica à saída do metro com o mesmo nome. É uma espécie de feira da Ladra. Aqui pode encontrar de tudo mesmo. Desde artigos usados com 50 anos (alguns num estado lastimável) ou artigos modernissimos. Vende roupas, decoração, electrodomésticos, produtos alimentares, antiguidades, etc.
Tenha é bastante cuidado com os seus haveres já que é uma zona algo questionável e tenha também atenção por onde vai pois a feira é enorme e muito fácil de se perder. Acontece todos os sábados, domingos e segundas todo o dia.





Um género diferente são as Galerias Lafayette.

Semelhantes à cadeia "El Corte Inglês".
Aqui pode comprar roupa, géneros alimentares, calçado e se quiser suba as escadas até ao último andar e aproveite as vistas sobre a cidade.





São 10 andares onde pode gastar os seus euros em prendas.
Saia no metro Havre-Caumartin ou Opéra.

Claro está, para os bolsos mais cheios tem sempre os Campos Elíseos e a Place Vendome.

11 comentários:

Rodrigo disse...

Amei o guia turistico, muito completo!
Vou à Paris em Julho e já tenho anotado todos os lugares onde irei!!

Chita Fuxica disse...

Parabéns pelo guia.
Vou a paris com o meu Príncipe no dia 30 de agosto, e essas dicas estão ajudando muito, esperamos poder contribuir com algumas histórias na volta.

valeu e MUITO OBRIGADA !!!

Lara

Sagres disse...

Vou agora a Paris e o teu relato vai ser de grande ajuda para seleccionar o que ver. Parabens

Anónimo disse...

Vou mais o meu marido no meio de junho a paris para comemorarmos o nosso 1º aniversario de casados ...e sem duvida adorei todas as dicas...farei sem duvida 1roteiro a minha maeira baseado nestes topicos
muito obrigada
andrea e nuno

sheila disse...

Adorei as dicas. Vou em setembro e as informações neste site foram muitos valiosas. Parabéns. Sheila

valerio disse...

Parabéns, adorei o seu Blogue! Fiquei com uma óptima ideia do que irei ver em Paris... Muito detalhado e com boas opiniões. Vou a Paris em Outubro e mal posso esperar para ver tudo o que recomendou!

Muito Agradecido!

Valério

Anónimo disse...

Vou a Paris no dia 23 de Agosto e lendo o guia proposto revivi a minha primeira viagem a Paris em Agosto de 1992.Quem diria que passados tantos anos tinha uma filha a estudar no Instituto Pasteur.
Obrigada.

Filipa disse...

Será a primeira vez que deixo um comentário num blog desconhecido, mas senti-me tentada a agradecer o cuidadoso guia turístico aqui apresentado.
Paris espera por mim em Setembro, bem como todos os locais que sugeriu.
Muito obrigada e parabéns*

Filipa disse...

Será a primeira vez que deixo um comentário num blog desconhecido, mas senti-me tentada a agradecer o cuidadoso guia turístico aqui apresentado.
Paris espera por mim em Setembro, bem como todos os locais que sugeriu.
Muito obrigada e parabéns*

Ana Clara disse...

Dicas muito boas!!!

GilleArjomanBand disse...

Usei o guia no período entre 13 e 16Fev09 (3 dias). Foi muito util.

Sugestões: localizar num mapa o que se quer ver, agrupar os locais a visitar por áreas (uma área para cada dia) e estabelecer uma tentativa de horário diário.

Não foi rentável ter comprado o passe de 3 dias pois os grupos que fiz deu para me deslocar a pé entre eles. Só me deslocava para o ponto inicial (+ afastado) e depois andava em direcção aos locais mais próximos.

Se querem subir ao topo da Torre Eiffel contem com 1 hora de fila para entrar no elevador do 2 piso... Mas vale a pena.

O QUE VER EM PARIS é um guia bem feito e real.

Parabéns ao autor.